Museu Experimenta Paisagem num 1 dia

Cada um criará a sua opinião de qual a melhor forma de visitar este museu no território mas a nossa equipa deixa aqui uma sugestão de como aproveitar ao máximo 1 dia no território do MEP.

Vamos lá então visitar o MEP num dia e conhecer as obras de arte VéuMagma Cellar, Farol dos Ventos e Moongate!

1. VÉU, Sertã


Comece pela Sertã e conheça a obra de arte Véu

Desça até ao parque da Carvalha, mesmo no coração da vila da Sertã. Aqui, sobre a ponte Filipina, irá ter uma das perspectivas mais bonitas sobre o Véu. A obra constituída por chapas metálicas curvadas, reflete a paisagem que a envolve. O movimento das chapas foi desenhado e produzido com grande rigor, para criar a ilusão de leveza, como se a brisa curvasse as chapas. Esta obra é da autoria de MAG – Marta Aguiar e Mariana Costa – com Sofia Marques de Aguiar, o colectivo que lançou o projecto Cortiçada Art Fest em 2020.

Coordenadas ponte Filipina: 39.79989004511168, -8.098897595875727

Pode-se aproximar da obra e descobrir uma infinidade de reflexos inesperados! Desde a ponte filipina, aos visitantes, às ovelhas e à água a precipitar-se sobre o açude.

Se tirar uma foto com o Véu partilhe-a nas redes sociais com #veudasertã Aproveite também para estar atento aos sons, sob o Véu, nas margens, na ponte… Assim como as imagens espelhadas pelo Véu, os sons que o envolvem refletem uma localização invulgar, que sublinha o limite entre o urbano e o rural.

Depois de passear pelo Parque da Carvalha, sugerimos que vá até Proença-a-Nova, mais propriamente até à aldeia de Cunqueiros, para conhecer a Magma Cellar. Entre a Sertã e Cunqueiros (30min.) há vários restaurantes no caminho!

 

2. MAGMA CELLAR, Cunqueiros

Siga até Cunqueiros e desça o vale até à ponte sobre a ribeira, onde está a obra de arte Magma Cellar.

Esta é uma obra que celebra o encontro e, ao contrário das restantes, é, ela própria, um abrigo, onde cada um se pode sentar e até deitar. A interação do visitante com a obra pode criar fotografias muito divertidas, e desafiamos todos, com cuidado, a dar asas à imaginação e partilhar a #magmacellar com os seus amigos.

Coordenadas da Magma Cellar: 39.8155652351444, -7.842102567097951

A estrutura metálica da peça é revestida com xisto aquecido em forno cerâmico. As autoras da obra, MAG – Marta Aguiar e Mariana Costa – com Sofia Marques de Aguiar, usaram o xisto, para reforçar o valor do aglomerado urbano antigo da aldeia. Sugerimos que acompanhe a ribeira e descubra as quelhas conformadas pelas antigas casas de xisto.

 

3. FAROL DOS VENTOS, CHÃO DE GALEGO

A meio da tarde, é a hora ideal para ver o Farol dos Ventos desde Montes da Senhora.

Esta aldeia fica a 15minutos de Cunqueiros e é um ponto de paragem obrigatório para quem quer tirar uma fotografia à serra das Talhadas com o Farol dos Ventos iluminado pelo sol e a torre de vigia do arquitecto Álvaro Siza Vieira atrás (39.774469, -7.801727).

Coordenadas da vista do Farol desde os Montes da Senhora  39.774469, -7.801727

A subida ao Farol dos Ventos, faz-se desde o parque de caravanas de Chão do Galego através de um estradão. É possível subir de carro a serra por esse estradão. A primeira paragem pode ser feita no alargamento com a bifurcação para a Buraca da Moura.

Numa curta caminhada chega-se ao sopé da rocha onde está instalado o Farol dos Ventos, mesmo ao lado da Buraca da Moura. A proximidade da obra de arte à gruta propõe ao visitante uma eventual reflexão sobre a identidade do lugar. A transição das terras altas para as terras baixas, feita pela Serra das Talhadas, é um marco relevante no território não só a nível geográfico mas também cultural.

Estando próximo do Farol dos Ventos é possível descobrir novos enquadramentos da natureza e surpreender-nos com as cores dos cabos em constraste com o céu e as rochas. É possível compreender o grau de dificuldade de execução da obra, a forma como os cabos estão ligados, procurando ferir a rocha o menos possível.

Esta obra da autoria de MAG – Marta Aguiar e Mariana Costa – com Sofia Marques de Aguiar é uma das mais emblemáticas do Museu Experimenta Paisagem, tem 37metros de comprimento e é composta por cabos náuticos produzidos em Portugal.

Convidamos o visitante, a escolher uma rocha junto ao #faroldosventos para repousar e contemplar a subida da serra. Ver as aldeias próximas e a sua relação com as mais distantes. Retomar o fôlego para continuar a visita.
Depois deste momento de observação é possível continuar a subir a serra de carro e espreitar a torre de vigia projectada pelo arquitecto Álvaro Siza Vieira.

Se quiseres mais informações obre o trilho fala com Marta Palhim (walk.with.marta@gmail.com).

 

4. MOONGATE, Oleiros

Para terminar o dia, propomos a visita à obra de arte Moongate ao pôr do sol.

Esta obra em resina, está suspensa sobre a ribeira de Oleiros, junto à ponte da Torna. É um lugar muito tranquilo, perfeito para estender uma manta e relaxar numa das margens.

Coordenadas da Moongate: 39.91627009044408, -7.9108639145692905

À noite, quando está iluminada, a Moongate ganha uma aparente profundidade. Os reflexos âmbar intensificam-se e provocam uma sensação electrizante e misteriosa.

Esta obra da autoria de MAG – Marta Aguiar e Mariana Costa – com Sofia Marques de Aguiar foi inaugurada em 2020 e sinaliza uma das personalidades mais relevantes da história de Oleiros, o padre jesuíta António de Andrade, o primeiro europeu a chegar ao Tibete. As cartas que escreveu sobre a sua viagem pelo Oriente, editadas no livro “Cartas do Tibete” inspiraram a criação da Moongate, que pela forma, cor e texturas, evocam a entrada num jardim distante.

A utilização de resina na sua constituição é também uma referência a um recurso importante da região nas décadas passadas: a resina do pinheiro.
Moongate convida os que habitam e os que exploram a região a reapropriarem-se do lugar e das suas memórias. Se quiseres partilha com os teus amigos e familiares com #moongateoleiros.

Para passar a noite sugerimos o Camping Oleiros, onde encontrarás um lugar tranquilo para descansar e recarregar as tuas baterias para o dia seguinte.

E assim termina um dia cheio de aventura pelo Museu Experimenta Paisagem! Não te esqueças de nos contares tudo através das nossas redes sociais.