Arte na Paisagem na Beira Baixa:

Cortiçada Art Fest (2019-2020)

Farol dos Ventos

Serra das Talhadas, Chão do Galego, Proença-a-Nova

O Farol dos Ventos destaca-se na paisagem de Proença-a-Nova sinalizando a crista da Serra das Talhadas através de uma sequência de cabos de cor cuja superfície e movimento aparentes sugerem um pássaro que vai levantar voo.
O impacto estético do Farol decorre da escala da obra mas também da delicadeza da linha de contacto entre os cabos a crista quartzítica. Localizada junto à “cova da moura, o Farol sinaliza a mudança e remete para as memórias da cultura colectiva.

Véu

Parque da Carvalha, Sertã

Na Sertã a obra Véu transforma as perspectivas da ponte filipina, da ribeira e do Parque da Carvalha através de uma sequência de superfícies espelhadas que ora reflectem paisagens ora espelham um profundo e escuro vazio.


O impacto estético do Véu decorre sobretudo da sugestão de movimento e da ilusão de suspensão associadas à fragmentação da paisagem reflectida, provocando um efeito de sinestesia.

Moongate

Ribeira de Oleiros, Oleiros

A Moon Gate define um momento de paragem no percurso da ribeira de Oleiros sugerindo, pela sua geometria circular e pela cor âmbar, uma entrada ou um recomeço. Esta intenção simbólica, reforçada pelo nacarado e pela aparente mutação das cores, remete para a memória colectiva de Oleiros sobre as viagens do Padre António de Andrade.

A Moon Gate é uma obra de estética magnetizante, cuja delicadeza é evidenciada pelo rigor da suspensão nas árvores e cujo mistério é acentuado quando iluminada à noite.

Equipa da Organização da Cortiçada Art Fest

Arte na paisagem da Beira Baixa é um projecto em co-autoria com Sofia Marques de Aguiar.

Sofia Marques de Aguiar é arquitecta e artista plástica que tem desenvolvido um extenso trabalho no cruzamento de várias áreas plásticas. Na diversidade e a experimentação de Sofia permanecem e transparecem o seu mundo criativo e uma criteriosa sensibilidade à composição e à experiência estética. É fundadora da Fábrica de Artes Cubano (FAC) em que desenvolveu uma intensa actividade criativa com equipas artísticas interdisciplinares com uma forte aposta na integração e coesão social e comunitária.

MAGMarta Aguiar e Mariana Costa, desenvolvem projectos de desenho e produção de obras criadas intencionalmente no sentido de despertar interesse estético e um apropriação. Estas obras têm como premissa lugares específicos – espaços construídos ou paisagens – e a sua transformação recriando um sentido de pertença. Como empresa de serviços de arquitectura, urbanismo e obras de transformação de lugares e paisagens MAG-Marques de Aguiar desenvolve cada projecto de acordo com um método de acção estruturado em objectivos, responsabilidades individuais e na co-criação.

organizado com:

apoiado por:

mais informação:

a história do projecto

A Encomenda e a Análise do Programa

O projecto Cortiçada Art Fest nasce da vontade dos municípios de Proença-a-Nova, Oleiros e Sertã em contribuir para uma inversão da desertificação do território através de uma aposta consistente na cultura.

A nossa proposta foi definida com os municípios num processo longo de análise e leitura da paisagem cultural. Uma proposta delineada em conjunto e que assim supera os limites do programa e surpreende o próprio cliente.

Uma Proposta para a Paisagem Cultural da Beira Baixa

Nesta paisagem humanizada, como referiam Orlando Ribeiro e Ilídio Araújo, o abandono e a catástrofe ecológica dos incêndios cíclicos justapõem-se à escassez de habitantes, às vivências urbanas, a uma forte programação cultural e ao crescente turismo de natureza.

A proposta “Cortiçada Art Fest” tem como objectivo desenvolver uma identidade e um sentido de pertença da comunidade alargada dos territórios dos três municípios. O objecto final e o método de acção é a concretização de um roteiro de 5 obras de arte na paisagem num processo de envolvimento das populações e das instituições.

O Programa

Nesta paisagem humanizada, como referiam Orlando Ribeiro e Ilídio Araújo, o abandono e a catástrofe ecológica dos incêndios cíclicos justapõem-se à escassez de habitantes, às vivências urbanas, a uma forte programação cultural e ao crescente turismo de natureza.

A proposta “Cortiçada Art Fest” tem como objectivo desenvolver uma identidade e um sentido de pertença da comunidade alargada dos territórios dos três municípios. O objecto final e o método de acção é a concretização de um roteiro de 5 obras de arte na paisagem num processo de envolvimento das populações e das instituições.

Os Lugares

A selecção dos lugares do roteiro e de cada obra tem como objectivo promover o interesse colectivo da comunidade sobre o “seu” território (comunidade no sentido lato e incluindo quem habita ou habitou, quem visita, trabalha ou actua neste território).

Lugares que pontuam geografias diversificadas – de montanha, de rio, de aldeia ou vila – e que evidenciam diferentes valores de paisagem – de lendas, de transformações seculares de exploração mineral e agrícola, de desenho do espaço público.

Projecto e Produção

O projecto e a produção de cada obra é desenvolvido em co-autoria num processo articulado de ajustamentos progressivos. Com o objectivo de apurar a experiência estética da obra de arte pelo observador, até ao final da montagem, ajustamos o lugar específico de montagem, desenvolvemos o projecto ou a produção do conceito ao detalhe e apuramos a relação da obra com a experimentação dos materiais.

Na relação com o lugar adequamos a obra às especificidades do detalhe do lugar e das estratégias para os melhoramentos da envolvente, ajustando perspectivas, pontos de vista e a aproximação e toque à obra. Ao nível do desenvolvimento da obra, através do aprofundamento do projecto e da manipulação da matéria, hierarquizam-se valores estéticos e concretizam-se soluções de rigor e qualidade para obras permanentes. Exploramos a experimentação das potencialidades estéticas dos acabamentos e da relação da luz com a matéria até à montagem final.

Acções de Envolvimento: Instituições e Associações

As acções de envolvimento – acções comunitárias – têm a dupla vertente de identificação de valores culturais e de comunicação e divulgação pedagógica.

O registo e interpretação dos lugares e das obras de arte é um “desafio” com forte adesão e divulgação pela comunidade (residente e da diáspora),que é potenciado pela geração mais nova através das actividades do “Centro Ciência Viva e Floresta” e das “Férias Desportivas”. O reconhecimento, o registo e a divulgação de memórias e lendas, de vivências de abandono e de mudança são o fio condutor que é progressivamente desenrolado com as Associações (na fotografia com Ana Louro, Sobral Fernando) e com a Bibliomóvel (em que Nuno Marçal apoia os mais isolados).

Acções de Envolvimento: Acontecimentos Locais

O entendimento da paisagem alicerça-se na participação em eventos e momentos de encontro de longa data como a apanha da azeitona e as festas das aldeias, em celebrações excepcionais, nos workshops das associações e em jogos dinamizados por nós como com os escuteiros da vila da Sertã.

Conversas à Janela da Paisagem

As “Conversas à Janela da Paisagem” decorrem da necessidade de reforçar o envolvimento através de meios digitais devido à pandemia e de colocar em perspectiva questões estruturantes do projecto (o lugar da arte na paisagem e o aprofundamento de um sentido de pertença a um território).

O convite foi lançado a profissionais reconhecidos de diferentes áreas da arte, da paisagem e da cultura – Camilo Rebelo, Laura Castro, Hélio Loureiro, Marta Cruz, David Viana, Inês Cardoso – para assim partilhar nas redes sociais apontamentos de uma reflexão alargada.

Visitas à Obra

As visitas à obra em directo são uma acção de envolvimento que privilegia a divulgação através de pessoas já envolvidas no processo – pelas associações, instituições ou proximidade local – e de pessoas que pela sua relação com a região e desenvolvimento profissional influenciam a comunidade regional e a sua a diáspora. A comunidade alargada acompanha assim a execução progressiva de cada uma das obras de arte.

Desafios

Através das plataformas digitais lançam-se “Desafios” de interpretação de cada uma das obras de arte na paisagem. Poemas, pinturas, fotografias e desenhos partilham entendimentos das obras e dos seus lugares, associando lendas e memórias, características geográficas e ecológicas, experiências estéticas e conceitos artísticos.

Através das acções com o Centro de Centro Ciência Viva e Floresta e as “Férias Desportivas”, ou pela participação espontânea, os desafios surpreendem pela apropriação dos lugares alterando nomes e propondo metáforas e representações.

Devolução das Obras à População: Inauguração (Cortiçada Weekend)

A inauguração é um momento sinalizador da devolução das obras e do roteiro de arte na paisagem às populações:

Sinal de integração na região e nos lugares do Roteiro, através da programação de workshops com artistas e artesãos da região e de concertos nos lugares das obras.

Mas também sinal da importância da articulação entre as estratégias culturais a longo prazo (referido por Américo Rodrigues e de Suzana Menezes), as acções dos decisores políticos (evidente nas palavras dos presidentes dos municípios) e a fundamentação consistente de projectos artísticos e de transformação da paisagem.

Entrega da Obra

Terminado o roteiro, a obra é “devolvida” a quem habita a sua paisagem. Um evento presencial de conversas sobre a obra, envolvido por um lanche promovido pela Associação da Aldeia, pelo Município e com a participação da Junta de Freguesia.

Apresenta-se a obra, contextualizam-se as principais intenções, a escolha do lugar e a inserção no plano mais abrangente de desenvolvimento a longo prazo do território. Conversa-se sobre a importância de combater o abandono desta região e trocam-se opiniões de forma a analisar o impacto da obra e das várias acções de envolvimento na valorização efectiva da paisagem para aqueles que a habitam.

Durante a Acção de Entrega da Obra é evidente a crescente empatia por esta e como a sua integração na paisagem é aceite e corroborada pela comunidade local. “Eu gosto muito da minha Serra! E agora ainda mais!” foi uma frase por vários repetida e que revela o sucesso do método de acção.

Observadores Externos

A presença de observadores externos – Laura Castro e Nuno Grande – permite a leitura do projecto Cortiçada no âmbito de outros projectos artísticos e de intervenção na paisagem.

Acções de Continuidade

No evento presencial de Entrega da Obra, nas Inaugurações e noutros momentos posteriores à execução das obras foram entregues flyers com apontamentos das intenções estéticas e entendimentos do lugar, da escolha dos materiais, da instalação e dos desafios da manutenção.

Paralelamente ao desenvolvimento das restantes obras foram executados planos de sugestões de melhoramentos dos caminhos, do lugar e da envolvente, com o objectivo de orientar as futuras intervenções na paisagem.

Apresentação dos projectos de Arte na Paiasagem e de desenvolvimento Territorial da equipa MAG . Marques de Aguiar, Arquitectura e Urbanismo